• Cria Para o Mundo

"Mas as mulheres desejam sensualizar demais"


Foto: Velizar Ivanov on Unsplash

Por Adriana Roque*


As mulheres desejam ser livres. Mulheres desejam andar livremente nas ruas. Mulheres desejam se achar bonitas. Desejam desejar a si. Desejam desejar os seus corpos. Mulheres desejam ter o poder sobre o próprio corpo. SEU corpo. Já o estupro culposo quer continuar o poder sobre o corpo do outro.


Ninguém precisa concordar com os motivos para uma pessoa postar uma foto, e não importa se foi por carência, para se mostrar ou porque gostou. Muitas pessoas também podem achar demais a nudez feminina, a forma como as mulheres se mostram hoje na rede social ou na vida, e a forma como nos vestimos ou portamos.


O ocidente censura a nudez feminina, mas naturaliza a nudez masculina, e impõe regras sobre a nossa sensualidade, determinando que o ato de sensualizar, para as mulheres, deve ser uma lente usada em casos específicos e com o consentimento do outro.


Mais uma vez, os homens seguem livres com seus corpos. Mulheres são sensualizadas em qualquer espaço pela lente masculina (em textos anteriores algumas delas foram ditas). Por exemplo, mulheres aos 60, 70, 80 anos ficam divorciadas, pois os digníssimos ex-maridos iniciam um relacionamento com mulheres 30, 40 anos mais jovens. Elas, as recém-namoradas, esperam que com um cara mais velho tenham um relacionamento mais maduro. Eles, os supostos homens maduros, esperam rejuvenescer, ainda que isso não seja biologicamente possível. Mas aquele “objeto” que é a mulher tão mais jovem e dentro dos padrões de beleza já faz com que eles se sintam pertencentes a outro grupo etário, uma sensação tão comum na sociedade do consumo, em que basta ter para ser. Ainda que a dinâmica desses relacionamentos seja complexa, quem está de fora avalia que foi a mulher jovem que fisgou o homem maduro pela sensualidade.


E a conta do patriarcado nunca fecha.


*Adriana Roque é psicóloga e coach de mulheres e fundadora do Para Ser a Mulher Que Quiser


Revisão: Ana Luiza Gonçalves, editora da @revistalesbi