• Cria Para o Mundo

BH é o nosso quintal

Atualizado: 19 de Dez de 2019

No aniversário de 122 anos de Belo Horizonte, damos início a um guia feito de indicações de pais, mães, tios, padrinhos e amigos sobre lugares favoritos para curtir com as crianças


Foto: Ricardo Corrêa

Por Luciane Evans e Nathalia Ilovatte


A presença de uma criança nas nossas vidas é um convite ao redescobrimento. Voltamos à nossa infância, reencontramos antigos prazeres e ressignificamos lugares já conhecidos. Com as crianças, nos permitimos virar turistas na nossa própria cidade. Assim, Belo Horizonte, aos olhos de pais, tios e avôs, é um bebê com cheirinho de novidade, mesmo no auge dos seus 122 anos.


BH é o nosso quintal, com brincadeiras que deixam Ísis voltar suja para casa. Que despertam poderes em Cecília e José, que permitem a Arthur encher seus potinhos de brita. É local para Malu descobrir a convivência, e de altas aventuras no escorregador para Mateus e Gabriela. É também momento de conhecimento para Lara, liberdade para Benjamin e oportunidade para Samuel se deliciar com quitutes tipicamente mineiros.


Com olhinhos curiosos, esses pequenos belo-horizontinos descobrem e abraçam a cidade. E nós queremos sempre incentivá-los a conhecer e se encantar mais.


Por isso, reunimos dicas de lugares para curtir BH com as crianças, segundo mães e pais. Queremos que essa lista de indicações cresça sempre um pouco mais, e agregue os cantinhos favoritos de madrinhas, padrinhos, tios, amigos dos pais, e de todo mundo que sempre ou de vez em quando observa nossa cidade do ponto de vista de uma criança.


Parque Cássia Eller


“O parque Cássia Eller foi um dos primeiros parques que Ísis desbravou em BH e, desde logo, a encantou. Pela proximidade aqui de casa, se transformou num pequeno oásis no meio da confusão de concreto que vivemos. Um lugar que vamos para relaxar, divertir, brincar, fazer piquenique, caminhar, entrar em contato com a natureza, desconectar um pouco da rotina e conectar mais conosco mesmas. Voltamos de lá sujas de terra, mas de alma lavada. Quem não conhece, vale muito a visita!”


Isabela Andrade

Advogada e mãe da Ísis, de 2 anos


Parque Municipal Cássia Eller

Av. Tancredo Neves, 2.900 , Bairro Jardim Paquetá



Parque Municipal Marcos Mazzoni


"Um lugar muito especial para mim e para o Arthur, meu filho de 2 anos, é o parquinho do Bairro Cidade Nova, chamado oficialmente de Parque Municipal Marcos Mazzoni. É um cantinho perto de casa que me conecta "à mini Patrícia" que frequentava o local quando menina e amava balançar na "gangorra". Lembro de sentir que eu podia voar tirando os pés do chão e chegando mais perto das nuvens. Hoje, mais 20 anos depois, volto a esse refúgio de menina com o Arthur, desde o convite de uma amiga muito especial, a Verônica, e de sua filhinha, Flora, para brincar lá. 


Meu filho se diverte desde a caminhada de casa até o parquinho, empurrando seu carrinho e fazendo seu "passeio contemplativo" (admirando, apontando e nomeando carros, cachorros, cores...). 


No parquinho, ele brinca com simplicidade: enchendo potinhos com brita, cavando a terra, corre livre pelas "trilhas", explora a altura dos brinquedos de "trocar os braços na barra" e sai contando "um, dois, três e já" para descer no escorregador e me esperar na outra ponta do brinquedo para um abraço. Ele também se aventura na comunicação com outras crianças (ou na disputa por brinquedos!) e adora "imitar" as aventuras das crianças com idade maior que a dele. 


É um local muito bem cuidado, limpo e que me agrada por ser lúdico, gratuito e trazer a cada dia a possibilidade de interagir com novas pessoas. Para mim é um momento de relaxar, trocar experiências com outras mães, pais ou cuidadores em geral e de me conectar com o Arthur sem preocupações da vida de adulto."


Patrícia Scofield

Jornalista e mãe do Arthur, de 2 anos.


Parque Ecológico e Cultural Professor Marcus Mazzoni

Rua Deputado Bernardino de Sena Figueiredo, 1.022, Cidade Nova



Parques Tom Jobim e Elias Farah


"Desde que a Cecília nasceu, acompanhamos as dicas do site Na Pracinha para levá-la pra brincar ao ar livre, sair do apartamento, conviver com outras crianças. A Lagoa da Pampulha é quase o quintal da nossa casa, mas tem poucos parquinhos estruturados. Já circulamos por muitos parques e praças, e nossos preferidos são o Tom Jobim, no Luxemburgo, e o Michel Elias Farah, no Bairro Ouro Preto. São dois lugares pequenos, arborizados, aconchegantes, cheios de brinquedos, caminhos, bichos e plantas. Os parquinhos são bem completos e as crianças não se espalham, elas brincam todas juntas. Tenho um carinho especial pelo Tom Jobim porque íamos eu e a Cecília para momentos só nossos, passamos muitas tardes gostosas lá. E é um refúgio quando eu, mãe, quero um momento de descanso e leitura. Como ele é fechado dá essa tranquilidade. O Elias Farah é mais perto da minha casa e virou nosso lugar preferido desde que o José nasceu. Lá, consigo estar com as duas crianças juntas e adoro vê-las explorando o parque. Prezo pela segurança nos locais que vamos porque muitas vezes estou sozinha com as duas crianças, então podemos todas brincar juntas. Os dois lugares têm mesas, bancos, banheiros, gramados para piquenique, bebedouro, e até quadro de giz! 

Ah! E é nosso momento totalmente sem tela, nem fotos fazemos, guardamos as imagens na memória! "

Patrícia Giudice

Coach de mulheres e mães.

Mãe da Cecília, e do José.


Parque Mosteiro Tom Jobim

Rua Dr. Ismael de Faria, 150 - Bairro Luxemburgo


Parque Elias Michel Farah

Rua Desembargador Paula Motta, 235, Bairro Ouro Preto.

Praça da Assembleia


"Comecei a frequentar a praça da Assembleia ainda adolescente, quando vim estudar em BH, e nem me imaginava como mãe. Morava no Bairro Gutierrez e, aos domingos, vinha à missa na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, que fica dentro na praça. Antigamente, a praça era um local de práticas de esporte, mas com pouco incentivo ao lazer com a família. Há alguns anos, ela passou por um processo de revitalização que a tornou, na minha opinião, um dos melhores espaços públicos recreativos de BH. Quando meu primeiro filho nasceu, hoje com 4 anos, passamos a ir em todas as manhãs de domingo e, após a missa,  sempre paramos para brincar. Os parques infantis são muito bem estruturado, com brinquedos em bons estados de conservação, múltiplas habilidades e para todas as idades! 


Alguns dias também  ocorrem as oficinas de artes, contação de histórias, mágicas e shows musicais. A praça da Assembleia me traz boas lembranças, lembranças de quando aprendi a ser mãe e morria de medo de perder meu filho no meio de tanta criança, de ver o sorriso dele descendo o escorregador sozinho, de reencontrar amigos e suas famílias. Meu conselho para quem quer conhecê-la é chegar cedo, levar boné e óculos de sol, passar protetor solar e se deliciar com uma praça pensada para a família. Não faltarão atividades!"


Isabela Nacif Dias Capurco,

Endocrinologista, mãe do Mateus, de 4 anos, e Gabriela, de 1 ano.


Praça da Assembleia

Endereço: Praça Carlos Chagas, S/N - Santo Agostinho


Presépio do Pipiripau


"Dias desses, acordei nostálgica e lembrei que um dos lugares de BH que mais gostava de ir quando criança nesta época de Natal era o presépio do Pipiripau. Pensei em como seria legal levar minha filha Lara lá. Corri para pesquisar se ele ainda existia, joguei Horto Florestal no Google e descobri que o nome é Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG. Para minha surpresa, o lugar não só estava aberto como possuía muito mais atrações do que eu lembrava. Lara ficou encantada com o presépio, viu as vaquinhas, galinhas e ainda teve oportunidade de ver "dinossauro", "caverna" e muitas plantinhas. Realmente foi um passeio muito gostoso que me fez reviver bons momentos da minha infância!"


Ariela Ribera

advogada e mãe da Lara, de 1 ano.


Presépio do Pipiripau - Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG

Endereço: Rua Gustavo da Silveira, 1035 , Bairro Santa Inês




Praça Duque de Caxias


"Gosto de caminhar com a minha filha até a pracinha Duque de Caxias, no Bairro Santa Tereza, onde moramos. Esse percurso sempre me leva a imaginar que estou numa cidade do interior: desejamos bom dia às pessoas, converso com o dono da mercearia, cumprimentamos os bebês, os vizinhos do bairro. Na pracinha, Malu encontra com várias crianças da sua idade, o que é ótimo para desenvolver sua socialização já que ainda não está na escola. Ela brinca, divide brinquedos, joga bola, participa de piqueniques e aprende sobre convivência. Malu adora brincar numa estrutura que até hoje não cheguei a conclusão se é um castelinho ou dois foguetes. Ela sobe e desce as escadas desse brinquedo, sem cansar. Aos finais de semana, há pinturas e pula-pula, e ela adora. Além disso, na Duque de Caxias, é possível brincar com crianças e cachorros, conversar com idosos e jovens. É um espaço de trocas para minha filha crescer e conviver."


Daniel de Cerqueira

Fotógrafo e pai da Malu, de 1 ano.


Praça Duque de Caxias

Rua Mármore S/N , Bairro Santa Tereza


Museu de Ciências Naturais da PUC

"Imagine atravessar uma porta e dar de cara com um gigantesco esqueleto de dinossauro. No Museu de Ciências Naturais da PUC, quando a gente entra, já é recebido não por um, mas vários dinossauros enormes que deixam a criançada fascinada. Além deles, outros fósseis de animais extintos estão expostos, como o mastodonte, a preguiça gigante e o tigre-dentes-de-sabre. Na área dos taxidermizados tem lobo guará, elefantes, antílopes e o gorila Idi Amin, que vivia no zoológico da cidade.


Levei o Benjamin lá pela primeira vez quando ele tinha uns 8 meses. Já nessa fase ele ficou olhando meio intrigado para aqueles animais enormes. Hoje com 3 anos, ele gosta de aprender sobre cada animal e se entretém com as histórias que vamos contando para ele ao longo da visita.


É engraçado ir ao mesmo museu em diferentes fases da vida da criança porque a maneira de encarar o passeio vai mudando. Com o Benjamin, pouco a pouco as visitas se tornaram mais interativas e as reações dele ao acervo passaram para o medo, o espanto, a curiosidade...


Além de tudo o que está exposto na parte interna, os fundos do Museu de Ciências Naturais da PUC têm um bosque com bancos para sentar e algumas aves - nessa parte elas estão vivas!


Vale também consultar a programação porque em alguns dias os monitores realizam oficinas e experiências táteis com as crianças."


Nathalia Ilovatte

Jornalista, idealizadora do Cria Para o Mundo e mãe do Benjamin, de 3 anos


Museu de Ciências Naturais da PUC

Rua Dom José Gaspar, 290, Coração Eucarístico


Praça do Papa


"A Praça Israel Pinheiro, popularmente conhecida como Praça do Papa, fica localizada no Bairro Mangabeiras, ponto mais alto de Belo Horizonte, e ganhou esse "apelido" após receber a visita do Papa João Paulo II, em 1980.

Do local pode-se apreciar uma das mais belas vistas da cidade.


Além de ser um grande ponto turístico, a praça é arborizada e espaçosa, com um excelente gramado que pode ser utilizado para diversas brincadeiras com as crianças ou até mesmo um piquenique.


Possui um brinquedão de madeira com circuito e escorregadores que Samuel ama e nós também!


Quer coisa mais gostosa que brincar ao ar livre rodeado de natureza e curtindo uma linda paisagem?"


Ana Paula Tavares

do Instagram @trenzinhosdemae, mãe do Samuel Levy, 4 anos


Praça Israel Pinheiro (Praça do Papa)

Avenida Agulhas Negras, s/n, Mangabeiras



Parque Ecológico da Pampulha


"A chegada do Benjamin fez com que eu, chegado em Belo Horizonte em 2006, e Nathalia, que veio para cá dez anos depois, nos tornássemos desbravadores de parques em Belo Horizonte. Fomos a quase todos, em todas as regiões, e um dos últimos que conhecemos foi o Parque Ecológico da Pampulha, que acabei descobrindo ser o melhor deles. É grande o suficiente para que não enxerguemos seus limites quando estamos sentados fazendo um piquenique com amigos ou família, enquanto Benjamin corre até quase o perdermos de vista. Bem vazio e amplo pela manhã e, em especial, em dias de semana, é onde me sinto mais tranquilo para deixar esse menino de três anos livre como deveria ser sempre.


Benjamin, que adora correr, diverte-se escondendo atrás de árvores em torno do agradável gramado bem cuidado do bosque, próximo da entrada da rotatória da Heráclito Mourão de Miranda. E se, ao falar de grama, alguém pensou em antigas notícias sobre febre maculosa, é bom saber que capivaras e carrapatos estão bem longe dali, em uma área fechada do parque, sem oferecer qualquer risco a quem aproveita a parte aberta do local.


Benjamin adora parquinhos, mas por lá nem dá muita atenção para os brinquedos de madeira, preferindo descer rolando pela grama na área da Esplanada, que mais parece a área de trabalho do Windows, onde tentamos soltar a primeira pipa que fizemos depois que ele nasceu. Com um vento tão forte, não deu tão certo quanto os passeios de bicicleta pelas trilhas do parque, que rendem tantos sorrisos daquele menino, que quase desaparece dentro do capacete e da cadeirinha, mas vai sempre atento a tudo. As risadas só ficam maiores no coreto, onde gastamos tempo batendo palma, pulando ou gritando só pra ouvir o eco gerado pela construção. Pedalando, pulando, correndo, rolando ou sentado no chão, o parque ecológico é o melhor lugar de ver Benjamin crescer."


Ricardo Corrêa

Jornalista, pai do Benjamin, de 3 anos


Parque Ecológico da Pampulha

Av. Otacílio Negrão de Lima, 6061, Pampulha

Restaurante Paladino

"Pra quem gosta de uma boa comida mineira servida num ambiente aconchegante e acolhedor com espaço amplo e um agradável parquinho pras crianças, esse é o lugar certo! O Restaurante Paladino fica no coração da Pampulha, bem pertinho da Lagoa e oferece tudo isso e mais um pouco.


Além do parquinho, possui também espaço baby com monitores, fazendinha com alguns animais que as crianças amam, horta e pomar!


Os valores dos pratos são razoáveis e o atendimento é sempre excelente!


Samuel e eu gostamos bastante do Bolinho de Mandioca e do Pastel de Angu com Recheio de Queijo Canastra e o marido gosta do Porco-Nóbis, que consiste em uma Canela de porco cozida e servida com molho de ora-pro-nóbis.


Vale a visita!"


Ana Paula Tavares

do Instagram @trenzinhosdemae, mãe do Samuel Levy, 4 anos


Restaurante Paladino

Avenida Gildo Macedo Lacerda, 300, Braúnas



Praça Floriano Peixoto


"Uma das coisas de que eu gosto lá na praça Floriano Peixoto é esse piso amortecido, dá mais segurança para as crianças brincarem e correrem. A praça também tem muitas opções de brinquedos fixos, além dos outros que são colocados lá por pessoas/empresas privadas e que a gente pode contratar, se for o caso. Outra coisa legal é que a praça tem uma área verde ampla, com gramados em que a gente pode se sentar com as crianças, fazer um piquenique ou umas brincadeiras por lá. A praça tem muitos corredores cimentados, dá para correr com as crianças, levar velotrol, carrinho, patins, skate bicicleta... Lá sempre, sempre fica cheio de crianças, é uma boa oportunidade de as nossas interagirem com outras, aprenderem a dividir espaços e brincadeiras, se conhecerem etc. Mais uma coisa que eu adoro lá é que sempre há shows e outras atrações gratuitas. Gosto de levar a minha

filha a essas programações lá. O último a que fomos foi a apresentação do "Pequeno príncipe" feita pela Orquestra Ouro Preto. Foi lindo, aberto ao público, gratuito, com muitas crianças, um ambiente gostoso e seguro. A minha dica é essa: fiquem de olho nas atrações da praça e nela como um todo, vale a pena levar os pequenos lá! Além de tudo isso, é uma praça linda, bem localizada, grande e arejada. É fácil chegar de carro ou de ônibus."


Cláudia Rezende, editora na Páginas Editora e autora de livros infantis

Mãe da Heliodora


Praça Floriano Peixoto

Avenida do Contorno 3.097, Santa Efigênia